Aquaman: filme do herói da DC é um pastiche de clichês (crítica) - Sensei Cachaça

Destaques

Sensei Cachaça

Games, Animes, Notícias, investimento e humor garantido!!

quinta-feira, 13 de dezembro de 2018

Aquaman: filme do herói da DC é um pastiche de clichês (crítica)

 O diretor James Wan, conhecido pelas franquias de terror Invocação do Mal e Jogos Mortais, assume a responsabilidade de levar o herói Aquaman para as telonas em seu primeiro filme solo após aparições em outros longas da DC.



 Apesar de o personagem já ter sido motivo de deboche no passado (por sua capacidade de se comunicar com os peixes), podemos dizer que a representação do Aquaman pelo ator Jason Momoa é digna de respeito e admiração.
 O mesmo não pode ser dito sobre o filme que chega agora aos cinemas. Mesmo contando com milhões de dólares em produção de locações e efeitos visuais, o longa-metragem falha miseravelmente em um quesito básico: conteúdo.
 Com um roteiro vergonhoso, tedioso e previsível, a narrativa que se apresenta aos espectadores acumula e empilha os clichês mais óbvios do gênero. A jornada do herói reprisa temas como a separação dos pais, o bullying na escola, a provação dos valores morais, o treinamento com um mestre, o romance etc.




 Os diálogos são também embaraçosos, obrigando uma atriz consagrada como Nicole Kidman a dizer bobagens (como a explicação sobre a diferença entre um rei e um herói) e levando Jason Momoa a se arriscar no humor com resultados que beiram o ridículo (por exemplo, soltando a frase “Permissão para embarcar” ao entrar em um submarino sob o ataque de criminosos).
 A direção de James Wan abusa igualmente de fórmulas e receitas conhecidas na elaboração da tessitura fílmica, com planos e enquadramentos que vemos com frequência nas superproduções americanas (as poses heroicas, o beijo do casal, o vilão derrotado de joelhos).

 Ao mesmo tempo, o cineasta parece fazer uma colagem de referências – possivelmente homenageando obras que aprecia – com cenas de ação que nos fazem lembrar de Assassin’s Creed (em uma sequência na costa) e até mesmo Blade Runner e TRON (no deslumbramento visual do Reino de Atlântida e nos efeitos sonoros nas perseguições subaquáticas).

O resultado é um completo pastiche construído com os piores clichês de obras de super-heróis e sem qualquer inovação temática ou estética. O Aquaman de Jason Momoa e o próprio Universo Cinematográfico da DC mereciam muito mais.



Fonte aqui

Nenhum comentário:

Postar um comentário